Papel dos cabeleireiros quando ocorre a queda de cabelos

cabeleireiros

Nem todas as pessoas conseguem reconhecer facilmente a perda excessiva de cabelo. Algumas até minimizam o problema. Por isso, tanto os amigos e familiares quanto os cabeleireiros podem dar o alerta necessário para que a pessoa afetada procure ajuda médica para tratar a queda desde os primeiros sinais.

Existem sinais que o cabeleireiro deve ficar de olho

É comum que caiam cerca de 100 a 150 fios diariamente devido ao ciclo natural dos cabelos.1 No entanto, quando tufos aparecem no lavatório, na escova ou até mesmo na manipulação dos fios é sinal de que pode haver algo errado.

Há diversas causas, desde as mais complexas às mais corriqueiras, como a deficiência de vitaminas ou outros nutrientes.1,2

O que fazer: ignorar ou tocar no assunto?

Há várias questões a serem consideradas, mas o ponto de partida é a relação entre cabeleireiro e cliente.

É verdade que quanto mais antigo for o cliente, maior a relação de confiança com o profissional, o que facilita muito tocar em assuntos mais sensíveis. Ajuda também se você já sabe que o cliente está passando por problemas de saúde, forte estresse ou mesmo se está seguindo uma dieta restritiva.

No entanto, mesmo clientes novos podem gostar de saber que você se preocupa com a saúde dos cabelos deles. Você pode fazer isso com leveza, orientando-os a procurar um médico quando notar sinais de queda excessiva ou outras alterações nos fios.

Como falar sobre queda de cabelo

  • Comece escutando: você pode perguntar se o cliente percebeu alguma diferença na quantidade de fios.
  • Explique o por que você notou: pode ser pelos tufos de cabelo caídos, espacejamento entre fios ou até por ver uma área sem cabelo.
  • Se o cliente já tinha percebido, pergunte se está tratando a queda ou ouça sua história, caso ele queira contá-la.
  • Se não, tranquilize-o de que há várias formas de ajudar a controlar a queda excessiva e o aconselhe a buscar ajuda de um dermatologista para obter o tratamento adequado às causas da queda.

Para saber mais sobre o assunto, leia a matéria Queda de cabelo: o que fazer antes e depois.

A ida ao cabeleireiro não é apenas uma rotina necessária, está associada a autoestima. Cuidar de tudo relacionado a isso pode fazer bem ao seu cliente.

O papel das vitaminas e minerais na saúde dos cabelos

Um dos principais fatores que geram a queda de cabelo (eflúvio telógeno) é a má alimentação. Para ter saúde capilar, as vitaminas, minerais e demais nutrientes são fundamentais, sendo responsáveis também pela manutenção do equilíbrio do ciclo do cabelo e contribuindo para o crescimento dos fios. Sem eles, a queda pode ocorrer em maior quantidade do que o normal.3

Por isso, é tão importante uma dieta balanceada, consumindo as vitaminas, minerais e demais nutrientes necessários para que nosso organismo mantenha um bom funcionamento.3

Nutrição da beleza natural dos cabelos de dentro pra fora

Tacitá® tem 15 vitaminas e minerais incluindo a biotina em sua composição.4 Com apenas um comprimido ao dia4, os cabelos e unhas também obtêm os micronutrientes essenciais para o crescimento saudável 3,5,6 de ponta a ponta.

Saiba mais sobre Tacitá® aqui.

Referências:

  1. Harrison S, Bergfeld W. Diffuse hair loss: its triggers and management. Cleve Clin J Med. 2009;76(6):361-7.
  2. Breitkopf T, Leung G, Yu M, Wang E, McElwee K. The basic Science of hair biology: what are the causal mechanisms for the disordered hair follicle? Dermatol Clin. 2013;31:1-19.
  3. Finner AM. Nutrition and hair: deficiencies and supplements. Dermatol Clin. 2013;31(1):167-72.
  4. Tacitá. Informações de embalagem.
  5. Goluch-Koniuszy ZS. Nutrition of women with hair loss problem during the period of menopause. Prz Menopauzalny. 2016;15(1):56-61.
  6. Iorizzo M, Pazzaglia M, Piraccini BM, Tullo S, Tosti A. Brittle nails. J Cosmet Dermatol. 2004;3(3):138-44.

Importante: este produto não substitui uma alimentação equilibrada e seu consumo deve ser orientado por nutricionista ou médico. Crianças, gestantes, idosos e portadores de qualquer enfermidade devem consultar o médico ou nutricionista. Consumir este produto conforme recomendação de ingestão diária constante na embalagem.Produto dispensado de Registro conforme RDC Nº 27/2010.

Não contém glúten.

Este produto não é um medicamento.
Não exceder a recomendação diária de consumo indicada na embalagem.
Mantenha fora do alcance de crianças.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *